Seca diminui gradativamente na Paraíba e realidade no campo é bem diferente de anos anteriores - BLOG DO GERALDO ANDRADE

sábado, 15 de outubro de 2022

Seca diminui gradativamente na Paraíba e realidade no campo é bem diferente de anos anteriores

 


Uma realidade bem diferente. Açudes com água. Paisagem verde. E alimento para mantar a fome no campo. A seca diminuiu na Paraíba. Historicamente o estado da Paraíba sofria com o problema das secas em 100% do território, desde 2020. Essa porcentagem, no entanto, caiu para 85% neste começo de 2022, como apontam dados do Monitor das Secas, divulgado esta semana pela Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA).

Leia Também:
Inmet emite dois alertas de tempo seco e perigo de incêndios florestais para 176 cidades da Paraíba
 

O monitor é um mecanismo utilizado para saber a severidade das secas no Brasil com base em indicadores do fenômeno e nos impactos causados em curto e longo prazo.

De acordo com o monitor, desde maio de 2021, esta é a primeira vez que o estado registra áreas livres de seca fraca, levando em consideração que houve a redução da área seca em 15% no estado. Em relação à seca grave, a Paraíba registrou a situação mais branda do fenômeno desde novembro de 2021, quando 40% do território passou por seca grave.



Esse fenômeno de diminuição da seca, aconteceu em outros 11 estados, segundo o monitor, que foram: Bahia, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Minas Gerais, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro e Tocantins.

 

Entre julho e agosto, a seca teve um novo abrandamento na Paraíba, conforme a última atualização do Monitor de Secas, levantamento feito pela Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA).

 

Conforme os dados divulgados pela agência, a área do estado que não apresenta seca caiu de 65% para 64% no período, enquanto a seca fraca passou de 22% a 29% do território e a área com seca moderada, que era de 13% em julho, passou para 7% em agosto.

 

Ainda assim, a área da Paraíba com seca registrada em agosto – que segundo o levantamento da ANA é de 20.422 km², é a terceira menor desde o início do Monitor das Secas, em 2014.

 

Cenário nacional

Entre julho e agosto, em termos de severidade da seca, além da Paraíba outros quatro estados tiveram um abrandamento do fenômeno segundo o Monitor de Secas: Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Pernambuco e Rio Grande do Sul. Tanto em Alagoas quanto em Santa Catarina a seca não foi registrada em agosto.

 

Em outras oito unidades da Federação o fenômeno se manteve estável: Ceará, Distrito Federal, Maranhão, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, São Paulo e Sergipe.

Por outro lado, em seis estados a seca se intensificou no período: Bahia, Goiás, Espírito Santo, Minas Gerais, Piauí e Tocantins. Como Rondônia entrou no Mapa do Monitor a partir de agosto, ainda não é possível fazer esse tipo de comparação.

 

Com base no território de cada unidade da Federação acompanhada, Mato Grosso lidera a área total com seca, seguido por Minas Gerais, Bahia, Goiás e Mato Grosso do Sul. No total, a área com o fenômeno foi de 3,87 milhões de quilômetros quadrados, equivalente a 45% do território brasileiro.

 

No mesmo período do ano passado, a realidade era outra. A seca se intensifica na Paraíba e seguiu em 100% do estado. A área total com seca na Paraíba permaneceu em 100% do estado em outubro, condição registrada desde junho deste ano. Entre setembro e outubro a área com seca grave seguiu no patamar de 27%, enquanto a seca moderada avançou de 35% para 39% do território paraibano, indicando o aumento da severidade do fenômeno. Essa é a condição mais severa do fenômeno no estado desde fevereiro de 2020, quando 46% do estado passaram por seca grave.

 

Dois anos antes, a situação era mais grave. A Paraíba enfrentou uma das maiores secas da história,

Dos 223 municípios do Estado, 193 ficaram em situação crítica devido à seca: 1999 foi o terceiro ano consecutivo de poucas chuvas em terras paraibanas. A seca prolongada comprometeu o abastecimento de água em praticamente todo o Estado e causou prejuízos para a agricultura e a pecuária.

 

Calcula-se que um contingente de 1,2 milhão de pessoas ficaram dependendo de carros-pipa e poços perfurados para ter água em suas casas. Cerca de 70% do rebanho bovino foi dizimado entre 98 e 99. As perdas para a agricultura foram de R$ 850 milhões.

 

A falta d’água deixou grande parte da população paraibana sem perspectivas econômicas. Na maioria dos municípios afetados pela seca, as principais fontes de renda foram as aposentadorias rurais, o dinheiro das frentes de trabalho e as cestas básicas distribuídas pelo governo federal. Foram alistados no programa de combate à estiagem 110 mil pessoas e receberam cestas 298 mil famílias.

As chuvas no ano seguinte, e a chegada das águas do Rio São Francisco minimizou a crise.

 

Fonte: PB Agora