Após juíza afirmar que todo negro é bandido, advogada pede nulidade da sentença “pelo crime de racismo e evidente parcialidade” - BLOG DO GERALDO ANDRADE

quinta-feira, 13 de agosto de 2020

Após juíza afirmar que todo negro é bandido, advogada pede nulidade da sentença “pelo crime de racismo e evidente parcialidade”

 juiza Inês Marchalek Zarpelon Paraná - Após juíza afirmar que todo negro é bandido, advogada pede nulidade da sentença “pelo crime de racismo e evidente parcialidade”


Uma juíza da 1ª Vara Criminal da Comarca da Região Metropolitana de Curitiba (PR) proferiu uma sentença contra um suspeito de integrar uma organização criminosa e cometer furtos atrelando os possíveis crimes à sua raça.


Ao condenar Natan Vieira da Paz, de 48 anos, a 14 anos e 2 meses de prisão, a juíza Inês Marchalek Zarpelon acusa o homem de praticar os crimes por ser negro. A defesa de Natan vai pedir a nulidade da sentença por racismo

Em um trecho da sentença condenatória, Zarpelon destaca: ““Sobre sua conduta social nada se sabe. Seguramente integrante do grupo criminoso, em razão da sua raça, agia de forma extremamente discreta os delitos e o seu comportamento, juntamente com os demais, causavam o desassossego e a desesperança da população, pelo que deve ser valorada negativamente”.


juiza - Após juíza afirmar que todo negro é bandido, advogada pede nulidade da sentença “pelo crime de racismo e evidente parcialidade”

juiza - Após juíza afirmar que todo negro é bandido, advogada pede nulidade da sentença “pelo crime de racismo e evidente parcialidade”

Além de Vieira da Paz, outros oito suspeitos foram julgados e condenados pela decisão da juíza.


A suspeita é de que o grupo integre uma organização criminosa que, entre os meses de janeiro de 2016 e julho de 2018, praticou furtos e saidinhas de banco nas praças Carlos Gomes, Rui Barbosa e Tiradentes, na região central de Curitiba.


Eles teriam furtado mochilas, bolsas, carteiras e celulares. A decisão da juíza recai sobre Vieira da Paz e outros oito suspeitos.


A advogada de defesa de Vieira da Paz, Thayse Pozzobon, afirmou à reportagem de CartaCapital que vai pedir a nulidade da sentença “pelo crime de racismo e evidente parcialidade da juíza”.


“Vou solicitar a nulidade às comissões de Igualdade Racial e Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil e também recorrer ao Conselho Nacional de Justiça e à Corregedoria”, afirmou.


“Independentemente do que está sendo apurado no processo, ela não tem o direito de avaliar a raça dele. Trata-se de um crime patrimonial e a lei deve se ater a isso. O que as circunstâncias de integrar uma organização criminosa ou praticar crimes tem a ver com a raça dele”, questiona a advogada.


“Isso revela seu olhar parcial e um racismo latente que ainda

temos que conviver em pleno século XXI”, criticou.








Fonte: Polêmica Paraíba


Créditos: Tião Lucena