Haddad se reúne com Guedes para discutir continuidade de programas econômicos - BLOG DO GERALDO ANDRADE

quinta-feira, 8 de dezembro de 2022

Haddad se reúne com Guedes para discutir continuidade de programas econômicos

 

Geraldo Alckmin, o presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva e Fernando Haddad RICARDO STUCKERT - 27.5.2022

Cotado para assumir o Ministério da Fazenda, o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT) se reuniu, na manhã desta quinta-feira (8), com o atual ministro da Economia, Paulo Guedes, na Esplanada dos Ministérios, em Brasília.

O encontro durou cerca de uma hora e 30 minutos e, segundo Haddad, foi a primeira aproximação entre a equipe de transição e a atual gestão da pasta econômica para discutir os rumos dos programas do ministério.

    "Falamos sobre muitos assuntos importantes. No plano geral de voo, foi tratado tanto daquilo que ele [Guedes] entende que está pegando ao país, quanto aquilo que pretendemos fazer a partir do ano que vem", disse Haddad, completando que não foi possível, no curto período de tempo, entrar nos detalhes de cada programa. 

    A ideia de Haddad é, a partir da próxima terça (13), realizar reuniões mais focadas nas secretarias, a fim de entender o panorama econômico mais a fundo. "Conversaremos com o secretário de Tesouro, da Receita, para ver a situação que vamos encontrar em 31 de dezembro."

    A avaliação do petista é de que a conversa foi importante para garantir a continuidade de projetos e entender até que ponto o Congresso avançou em agendas que importam ao Estado brasileiro, independentemente do governo. "Foi uma excelente conversa, muito cordial, educada e transparente", afirmou. 

    Haddad negou que a reunião tenha sido combinada a partir de um pedido específico do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Afirmou que, como articulador da interface política da equipe de transição, precisa tomar providências para que o grupo conclua o processo de transição com as informações necessárias. 

    Por parte de Guedes, a reunião não constava na agenda oficial do ministro da Economia. Procurada, a pasta não se pronunciou, e o espaço continua aberto para manifestações. 

    Fonte: R7