Renan é favorito para relatar CPI da Covid. Veja distribuição das vagas - BLOG DO GERALDO ANDRADE

terça-feira, 13 de abril de 2021

Renan é favorito para relatar CPI da Covid. Veja distribuição das vagas

Os líderes definiram a distribuição das vagas entre os partidos na CPI da Covid, cujo ato de criação deve ser lido esta tarde pelo presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG). O ex-presidente da Casa Renan Calheiros (MDB-AL) é o favorito para assumir a relatoria da comissão parlamentar de inquérito, proposta pelo senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP).


Líder da maioria, Renan é crítico do presidente Jair Bolsonaro. Outro possível nome para a relatoria também vem do MDB, maior bancada do Senado, Eduardo Braga (AM), representante de um dos estados mais afetados pela pandemia. Ainda não há definição sobre a presidência.



O conteúdo deste texto foi publicado antes no  Congresso em Foco Premium, serviço exclusivo de informações sobre política e economia do Congresso em Foco. Para assinar, entre em contato com comercial@congressoemfoco.com.br.


Leia mais

Marco Aurélio dá 15 dias para Bolsonaro explicar fala sobre Forças…


13 abr, 2021

Ao vivo: comissão promove audiência pública sobre órfãos da covid


13 abr, 2021


O PT indicou seus dois nomes para a CPI: o ex-ministro da Saúde Humberto Costa (PT-PE) será titular e o ex-líder da bancada Rogério Carvalho (SE) será o suplente. Ambos são médicos. Veja a distribuição das vagas entre os partidos e blocos. Caberá a cada um deles indicar seus respectivos representantes.


Serão 11 titulares, assim divididos:


Bloco MDB, PP e Republicanos – 3 senadores

Bloco PSDB, Podemos e PSL – 3 senadores

PSD – 2 senadores

Bloco DEM, PL e PSC – 1 senador

Bloco Rede, Cidadania, PDT e PSB – 1 senador

Bloco PT e Pros – 1 senadores


Serão 7 suplentes, assim divididos:



Bloco MDB, PP e Republicanos – 2 senadores

Bloco PSDB, Podemos e PSL – 1 senador

PSD – 1 senador

Bloco DEM, PL e PSC – 1 senador

Bloco Rede, Cidadania, PDT e PSB – 1 senador

Bloco PT e Pros – 1 senadores


Fonte: Congresso em Foco