Brasil tem boas chances de recuperação após a pandemia, diz diretor da OMC - BLOG DO GERALDO ANDRADE

domingo, 12 de abril de 2020

Brasil tem boas chances de recuperação após a pandemia, diz diretor da OMC




Em entrevista ao diretor do CNN Brasil Business, Fernando Nakagawa, o diretor-geral da Organização Mundial do Comérico (OMC), Roberto Azevêdo, falou sobre as projeções do efeito do novo coronavírus na economia mundial e, especificamente, na brasileira.
A OMC já havia revelado a expectativa de recuo entre 13% e 32% no comércio global por causa da pandemia, mas Azevêdo afirmou que, apesar de também ser afetado, o Brasil tem boas chances de recuperação.
“Seguramente o impacto será forte nas exportações brasileiras, mas ao contrário daquelas grande crises que vimos no passado, essa é uma crise principalmente de saúde. Com a retomada da economia mundial, a brasileira também pode se recuperar, sobretudo com a melhora dos preços das commodities se a demanda subir”, disse.
O diretor da OMC admitiu que houve receio, principalmente nos dias subsequentes ao surgimento da COVID-19, quando alguns países começaram a anunciar restrições de exportações de bens alimentícios.
“Isso acabou não se espalhando muito, ficou bem limitado. A parte [brasileira] de alimentos e agronegócio não deve sofrer muito, mas outros fatores indiretos, sim: transporte, colheita e produção por causa da redução da oferta de trabalho. Também a área logística, navios, aviões, o custo pode ser afetado. (…) Mas não acho que sejam coisas que irão derrubar os números de forma geral.”
omc azevedo 1024x683 - Brasil tem boas chances de recuperação após a pandemia, diz diretor da OMC

Em entrevista ao diretor do CNN Brasil Business, Fernando Nakagawa, o diretor-geral da Organização Mundial do Comérico (OMC), Roberto Azevêdo, falou sobre as projeções do efeito do novo coronavírus na economia mundial e, especificamente, na brasileira.

A OMC já havia revelado a expectativa de recuo entre 13% e 32% no comércio global por causa da pandemia, mas Azevêdo afirmou que, apesar de também ser afetado, o Brasil tem boas chances de recuperação.

“Seguramente o impacto será forte nas exportações brasileiras, mas ao contrário daquelas grande crises que vimos no passado, essa é uma crise principalmente de saúde. Com a retomada da economia mundial, a brasileira também pode se recuperar, sobretudo com a melhora dos preços das commodities se a demanda subir”, disse.

O diretor da OMC admitiu que houve receio, principalmente nos dias subsequentes ao surgimento da COVID-19, quando alguns países começaram a anunciar restrições de exportações de bens alimentícios.

“Isso acabou não se espalhando muito, ficou bem limitado. A parte [brasileira] de alimentos e agronegócio não deve sofrer muito, mas outros fatores indiretos, sim: transporte, colheita e produção por causa da redução da oferta de trabalho. Também a área logística, navios, aviões, o custo pode ser afetado. (…) Mas não acho que sejam coisas que irão derrubar os números de forma geral.”








Fonte: CNN Brasil

Créditos: CNN Brasil