Sergio Cabral pede desculpas e cita Aécio e mais 5 em esquemas de corrupção - BLOG DO GERALDO ANDRADE

sexta-feira, 5 de abril de 2019

Sergio Cabral pede desculpas e cita Aécio e mais 5 em esquemas de corrupção


Preso desde novembro de 2016 e condenado a 198 anos e seis meses de prisão em processos derivados da Operação Lava Jato, o ex-governador do Rio Sérgio Cabral (MDB) pediu hoje desculpas por ter participado de esquemas de corrupção e citou ao menos seis políticos durante depoimento ao juiz Marcelo Bretas,

“A fronteira entre o legítimo e o ilegítimo vai se perdendo, você vai fragilizando os seus conceitos éticos, de regras e princípios”, afirmou ele.

Na audiência de hoje, Cabral foi questionado por Bretas quanto ao porquê de seguir recebendo propina, mesmo depois de já ter recebido mais de R$ 100 milhões em valores indevidos, e disse que era uma questão de “amor ao poder”. “Tem pessoas que falam comigo: ‘você poderia ter sido presidente do Brasil, poderia ter dado mais colaboração ao Brasil’. Poderia se eu não tivesse errado.”

O ex-governador disse ainda que queria dar “um recado à nova geração de políticos” e que se desculpa sempre com os filhos e a mulher, Adriana Ancelmo.

A minha recomendação é: a corrupção é uma praga (…) Eu devia ter dito ‘não’ a tudo isso. É irresistível

Sérgio Cabral

Cabral afirmou que o seu maior arrependimento foi ter reunido empresários envolvidos nos seus atos de corrupção em torno da candidatura de Luiz Fernando Pezão (MDB) ao governo do Rio, em 2014. “Digo a todos os políticos: não tentem fazer os seus sucessores a todo custo. Eu quis fazer o Pezão a todo custo e, para isto, reuni os meus treze principais colaboradores no Palácio Guanabara”, afirmou.

Cabral foi denunciado 29 vezes no âmbito da Lava Jato no Rio e trocou a sua defesa em dezembro. Antes, ele assumia o caixa 2 em campanhas, mas jamais falava em corrupção. Após a troca de advogados, mudou a estratégia. Em fevereiro, Cabral admitiu pela primeira vez o recebimento de propina durante seus dois mandatos e apontou o ex-governador Luiz Fernando Pezão (MDB) como recebedor de valores indevidos.

No depoimento de hoje, o ex-governador mencionou políticos filiados a cinco partidos. A maioria, supostamente beneficiados com repasses ilegais da Fetranspor, que gerencia os ônibus no Rio.

, o ex-governador do Rio Sérgio Cabral (MDB) pediu hoje desculpas por ter participado de esquemas de corrupção e citou ao menos seis políticos durante depoimento ao juiz Marcelo Bretas,

“A fronteira entre o legítimo e o ilegítimo vai se perdendo, você vai fragilizando os seus conceitos éticos, de regras e princípios”, afirmou ele.

Na audiência de hoje, Cabral foi questionado por Bretas quanto ao porquê de seguir recebendo propina, mesmo depois de já ter recebido mais de R$ 100 milhões em valores indevidos, e disse que era uma questão de “amor ao poder”. “Tem pessoas que falam comigo: ‘você poderia ter sido presidente do Brasil, poderia ter dado mais colaboração ao Brasil’. Poderia se eu não tivesse errado.”

Leia Também:   Lava Jato reafirma razões para prisão de Temer, mas respeita decisão
O ex-governador disse ainda que queria dar “um recado à nova geração de políticos” e que se desculpa sempre com os filhos e a mulher, Adriana Ancelmo.

A minha recomendação é: a corrupção é uma praga (…) Eu devia ter dito ‘não’ a tudo isso. É irresistível

Sérgio Cabral

Cabral afirmou que o seu maior arrependimento foi ter reunido empresários envolvidos nos seus atos de corrupção em torno da candidatura de Luiz Fernando Pezão (MDB) ao governo do Rio, em 2014. “Digo a todos os políticos: não tentem fazer os seus sucessores a todo custo. Eu quis fazer o Pezão a todo custo e, para isto, reuni os meus treze principais colaboradores no Palácio Guanabara”, afirmou.

Cabral foi denunciado 29 vezes no âmbito da Lava Jato no Rio e trocou a sua defesa em dezembro. Antes, ele assumia o caixa 2 em campanhas, mas jamais falava em corrupção. Após a troca de advogados, mudou a estratégia. Em fevereiro, Cabral admitiu pela primeira vez o recebimento de propina durante seus dois mandatos e apontou o ex-governador Luiz Fernando Pezão (MDB) como recebedor de valores indevidos.

Leia Também:   A dolorosa, lenta e necessária purificação do campo político nacional - Por Anderson Costa
No depoimento de hoje, o ex-governador mencionou políticos filiados a cinco partidos. A maioria, supostamente beneficiados com repasses ilegais da Fetranspor, que gerencia os ônibus no Rio.



Fonte: Uol

Créditos: Uol