¨Apego a poder, dinheiro é um vício', diz Sérgio Cabral em depoimento na Justiça Federal do RJ - BLOG DO GERALDO ANDRADE

terça-feira, 26 de fevereiro de 2019

¨Apego a poder, dinheiro é um vício', diz Sérgio Cabral em depoimento na Justiça Federal do RJ


Na audiência pedida pela defesa do ex-governador, ele deu mais detalhes sobre os esquema de corrupção, voltou a admitir ter recebido propina e chegou a dizer que dinheiro e poder são um "vício".

Cabral foi preso na Operação Lava Jato em novembro de 2016 e suas condenações somam 198 anos e 6 meses de prisão.

O que disse Cabral:
admitiu que o esquema de "toma lá dá cá" era instituído no governo;
que empresários dão dinheiro a campanhas em troca de vantagens;
disse que recebeu mais de R$ 30 milhões de propina e caixa 2 do empresário Arthur Soares, o Rei Arthur;
pediu desculpas ao juiz Marcelo Bretas por ter mentido antes: 'Dói muito';
confirmou que US$ 100 milhões nas contas dos irmãos Chebbar no exterior eram dele;
que 90% do que diz o delator Carlos Miranda é verdade;
que o ex-governador Pezão recebeu propina e mesadas.
que o ex-prefeito Eduardo Paes recebeu dinheiro de empresários ligados a ele para a campanha, mas que não fazia parte da organização.
Côrtes e Fichtner
No início da audiência, Cabral citou os nomes de ex-colaboradores no governo como o ex-secretário de Saúde, Sérgio Côrtes, e Régis Fichtner, ex-chefe da Casa Civil do RJ. O ex-secretário de saúde está presente na audiência desta terça.

"Vim aqui para falar a verdade. Conheci Sérgio Côrtes na campanha de 2006 mais proximamente. Quando acabou a eleição eu falei para o Côrtes que tinha um contrato com o Arthur Soares e combinamos uma propina de 3% para mim e 2% para você. Antes nos governos anteriores Arthur disse que a propina era de 20%. Esse foi meu erro de postura, apego a poder, dinheiro... é um vício", disse o ex-governador.
O ex-governador Sérgio Cabral também afirmou estar arrependido por não ter falado de propinas anteriormente.

Sérgio Cabral e Sérgio Côrtes durante o governo do RJ  — Foto: Reprodução/Globo Sérgio Cabral e Sérgio Côrtes durante o governo do RJ  — Foto: Reprodução/Globo
Sérgio Cabral e Sérgio Côrtes durante o governo do RJ — Foto: Reprodução/Globo

Pezão
O ex-governador contou ainda que o então vice-governador Luiz Fernando Pezão (MDB), que acumulou o cargo, inicialmente, com a secretaria de Obras também recebia propinas. Segundo ele, o valor enviado a Pezão chegava a R$ 150 mil mensais.

"Pezão pediu a mim. Do Pezão, eu mandava entregar para ele. Eram cerca de R$ 150 mil por mês", disse
Pezão chega à sede da PF após prisão  — Foto: Mauro Pimentel/AFP Pezão chega à sede da PF após prisão  — Foto: Mauro Pimentel/AFP
Pezão chega à sede da PF após prisão — Foto: Mauro Pimentel/AFP

O ex-governador Pezão está preso desde o dia 29 de novembro do ano passado, em operação da Polícia Federal, no Palácio Laranjeiras. A prisão foi baseada em delação de Carlos Miranda, operador financeiro de Cabral, que disse ter feito pagamento de mesada de R$ 150 mil para Pezão, com direito a 13º de propina e bônus de R$ 1 milhão.

Cabral explicou ao juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal, o motivo de ter decidido falar das propinas no seu governo após mais de dois anos na prisão.


Fonte : G1A